Diretor Técnico Sérgio Rogério Skrobot R.Q.E. 2950 | CRM 1775

Outubro Rosa

  • Por:Vale da Web

 

Outubro Rosa

Outubro Rosa é um movimento popular que visa fortalecer e estimular a participação da população e entidades na luta contra o câncer de mama por meio de campanhas de conscientização, tendo como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

 

História do Movimento Outubro Rosa

A história do Outubro Rosa surgiu na última década do século 20, nos Estados Unidos, quando o laço cor-de-rosa foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure (hoje a maior organização de câncer do mundo) e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade, sendo posteriormente aprovado no Congresso Americano para que o mês de Outubro se torne o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama.

No ano de 1997, algumas entidades da cidade de Yuba e Lodi, nos Estados Unidos começaram a comemorar e fomentar ações voltadas a prevenção do câncer de mama, denominando o evento como “Outubro Rosa”. Tais ações eram e são até hoje direcionadas à conscientização da prevenção do diagnóstico precoce, no qual, para que acontecesse a sensibilização da população as cidades eram enfeitadas com laços rosas, principalmente em locais públicos. Depois disso, também foram surgindo outras ações como corridas, desfile de moda com sobreviventes do câncer de mama e até mesmo partidas de boliche.

Dessa forma, o Outubro Rosa foi se expandindo cada vez mais, ganhando destaque no mundo, motivando e unindo diversos povos e culturas na luta por uma causa nobre.    No Brasil, a primeira iniciativa aconteceu com a iluminação em rosa do monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista (mais conhecido como o “Obelisco do Ibirapuera”), em São Paulo, no dia 02 de outubro de 2002. Porém, somente em 2009 é que as ações se multiplicaram em todo o território nacional, devido as entidades relacionadas ao câncer de mama e empresas que se uniram para expandir a campanha.

Em Blumenau, a campanha teve seu início em 2010 pela Rede Feminina de Combate ao Câncer, sendo pioneira no Estado de Santa Catarina. E desde então, a entidade promove uma programação especial durante todo o mês de outubro disseminando informações e orientações através de palestras, eventos sociais, esportivos e de integração em diversos segmentos da cidade conscientizando toda a população, em especial as mulheres.

 

Estratégias de detecção precoce do câncer de mama

O câncer de mama é o tipo mais incidente na população feminina mundial e brasileira, excetuando-se os casos de câncer de pele não melanoma. A detecção precoce é uma forma de prevenção secundária e visa identificar o câncer em estágios iniciais, momento em que a doença pode ter melhor prognóstico. É preciso diferenciar a detecção precoce das ações de prevenção primária, pois essas têm por objetivo evitar a ocorrência da doença e suas estratégias são voltadas para a redução da exposição aos fatores de risco. Por outro lado, os métodos existentes para a detecção precoce do câncer de mama não reduzem a incidência, mas podem reduzir a mortalidade pela doença.

 

 E o que é câncer de mama?

É uma doença resultante da multiplicação de células anormais da mama, que forma um tumor com potencial de invadir outros órgãos. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns se desenvolvem rapidamente e outros não. A maioria dos casos tem boa resposta ao tratamento, principalmente quando diagnosticado e tratado no início.

 

O câncer de mama é comum no Brasil?

Sim. É o tipo mais comum, depois do câncer de pele, e também o que causa mais mortes por câncer em mulheres.

 

Somente as mulheres tem câncer de mama?

Não. Homens também podem ter câncer de mama, mas isso é raro (apenas 1% dos casos).

 

O que causa câncer de mama?

Não há uma única causa. Diversos fatores estão relacionados ao câncer de mama.

 

  • Fatores de risco

Ambientais e comportamentais

  • Obesidade e sobrepeso principalmente após a menopausa;
  • Sedentarismo (não fazer atividades físicas);
  • Consumo exagerado de bebida alcoólica;
  • Exposição frequente a radiações ionizantes (Raios-X);

Fatores da história reprodutiva e hormonal

  • Primeira menstruação (menarca) antes dos 12 anos de idade;
  • Não ter tido filhos;
  • Primeira gravidez após os 30 anos de idade;
  • Não ter amamentado;
  • Parar de menstruar (menopausa) após os 55 anos de idade;
  • Uso de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona);
  • Ter feito reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por mais de cinco anos.

Fatores genéticos e hereditários

  • História familiar de câncer de mama e ovário, principalmente em parentes de primeiro grau antes dos 50 anos de idade;
  • História familiar de câncer de mama em homens.

 *Lembrando, que a presença de um ou mais desses fatores de risco não significa que a mulher terá necessariamente a doença.

Quais são os sinais e sintomas do câncer de mama?

  • Caroço (nódulo) fixo, endurecido e, geralmente, indolor;
  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;
  • Alterações no bico do peito (mamilo);
  • Pequenos nódulos na região embaixo dos braços (axila);
  • Saída espontânea de líquido das mamas.

 *Ao identificarem alterações persistentes nas mamas, as mulheres devem procurar imediatamente um serviço de saúde para avaliação diagnóstica. No entanto, tais alterações podem não ser câncer de mama.

 

Como as mulheres podem perceber os sinais e sintomas?

Todas as mulheres, independentemente da idade, podem conhecer seu corpo para saber o que é, e o que não é normal em suas mamas. A maior parte dos cânceres de mama são descobertos pelas próprias mulheres.

        Procure sempre observar o seu corpo, olhe, palpe, toque e sinta as suas mamas no dia a dia para reconhecer variações naturais e identificar as alterações suspeitas.

E caso perceba alguma alteração procure o quanto antes o seu médico. Destacando, que o autoexame das mamas não substitui a mamografia.

A Mamografia é uma radiografia das mamas, realizada por um equipamento de raio X chamado mamógrafo, capaz de visualizar alterações suspeitas. E o Exame clínico das mamas é a observação e palpação das mamas por um médico ou enfermeiro.

No Brasil, a recomendação do Ministério da Saúde é a realização da mamografia de rastreamento (quando não há sinais nem sintomas) em mulheres de 50 a 69 anos, uma vez a cada dois anos.

 

É possível reduzir o câncer de mama?

Sim. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), estima-se que 30% dos casos de câncer de mama possam ser evitados quando são adotadas práticas saudáveis no estilo de vida, como por exemplo:

  • Prática regular de atividade física;
  • Alimentar-se de forma saudável;
  • Manter o peso corporal adequado;
  • Evitar o consumo exagerado de bebidas alcoólicas;
  • Amamentar, sendo também considerado um fator protetor.
Postado em: Saúde